Saúde e poluição

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que 25% das doenças contraídas pelo ser humano são decorrentes da poluição ambiental (Jornal O Globo de 16/06/2006).
Segundo a mesma, treze milhões de pessoas morrem anualmente vítimas de enfermidades relacionadas aos problemas ambientais. Este mesmo estudo ainda mostra que grande parte dos riscos ambientais poderiam ser eliminados com uma política de esclarecimento à população para evitar a contaminação da água, do ar e do solo.
A tendência é um aumento acentuado nesta situação com a falta de medidas para conter a escalada da poluição ambiental nas atividades industriais e domésticas.
A falta de investimento na medicina preventiva e controle da poluição ambiental vem causando o agravamento das doenças, principalmente em regiões pobres.
A poluição do ar, da água e dos alimentos gera situações imprevisíveis e dificulta o controle e tratamento de várias doenças relacionadas à deficiência imunológica, problemas no sistema respiratório (infecções) e cardiovasculares, envelhecimento precoce, gastrite, diarréias e doenças degenerativas.
A situação é pior quando avaliada nas ocorrências em crianças e idosos e em regiões sem saneamento básico.
O óleo de cozinha utilizado em frituras contribui para a situação descrita acima. O óleo de fritura, depois de utilizado, pode causar poluição ambiental quando descartado de forma inadequada e contribui para causar danos àsaúde quando ingerido em excesso ou oxidado (usado repetidas vezes na fritura).